Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Nick Cave e PJ Harvey, em 1995

Getty Images

Nick Cave recorda o dia em que PJ Harvey lhe ligou a acabar tudo: “Fiquei tão espantado que quase deixava cair a seringa”

Em mais uma das suas cartas aos fãs, Nick Cave reflete sobre a importância do desgosto amoroso na escrita do álbum “The Boatman's Call”

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Em resposta a dois fãs, que lhe perguntam porque “desistiu” da relação com PJ Harvey e qual o significado do álbum “The Boatman's Call”, Nick Cave escreveu mais uma das suas cartas de antologia.

“Não fui eu que desisti da PJ Harvey, foi a PJ Harvey que desistiu de mim. Ali estava eu, sentado no chão do meu apartamento em Notting Hill, com o sol a entrar pela janela (talvez), sentindo-me bem, com uma jovem cantora, bela e talentosa, como namorada, quando o telefone toca. Atendo e é a Polly.

- Olá, digo eu

- Quero acabar contigo.

- Porquê?!, pergunto eu

- Porque sim.

Fiquei tão espantado que quase deixava cair a seringa”.

Mais à frente, Nick Cave admite que o seu consumo de drogas “poderá ter representado um problema” na relação com PJ Harvey, mas que houve outros fatores.

“Ainda tinha que trabalhar no meu entendimento do conceito de monogamia e suspeito que a Polly também tivesse os seus problemas, mas ao fim e ao cabo penso que éramos ambos pessoas de uma criatividade feroz, demasiado egocêntricas para conseguirmos habitar o mesmo espaço de forma significativa. Éramos como duas malas iguais, mas perdidas, num carrossel para parte alguma”.

À época, Nick Cave dedicava-se febrilmente a escrever canções e, diz, “a entrega da Polly ao seu trabalho era, provavelmente, tão
narcisista e egocêntrica como a minha, embora eu estivesse tão embrenhado nas minhas tretas que nem posso dizer com certeza. Mas lembro-me do tempo que passámos juntos com muito carinho. Foram dias felizes e aquela chamada doeu; mas não ia desperdiçar uma boa crise e pus-me logo a terminar o 'Boatman's Call'”.

Segundo Nick Cave, o álbum de 1997 “curou-o” de PJ Harvey. “Também mudou a forma como faço música. O fim da nossa relação deixou-me com uma energia lunática que me deu coragem para escrever canções sobre experiências humanas comuns a todos, de forma aberta, audaz e com significado - um tipo de escrita da qual, até então, me tinha mantido afastado, porque sentia a necessidade de esconder as minhas experiências pessoais em histórias com outras personagens”.

Elogiando ainda o papel dos Bad Seeds neste disco (“há poucas bandas na terra que percebam que não tocar é tão importante como tocar”, Nick Cave recorda “The Boatman's Call” como um disco “mais sábio e empático” do que tudo aquilo que fizera até então.

Leia aqui a sua resposta completa.