Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Carolina Deslandes

Rita Carmo

Carolina Deslandes: “Sinto-me igualmente atraída por homens e por mulheres. Sempre foi uma coisa esclarecida na minha cabeça”

“Já beijei mulheres. Não é o homem, não é a mulher, é a pessoa”, afirma a cantora numa entrevista radiofónica

Carolina Deslandes revelou sentir-se atraída por mulheres e por homens numa entrevista à rádio MegaHits. "Acho que nunca falei sobre isto publicamente, mas desde que me lembro de ter começado a ter namorados... Nunca tive uma namorada, mas sempre me senti igualmente atraída por homens e por mulheres", começou por dizer a cantora, casada com o músico Diogo Clemente e mãe de três filhos, "e isso sempre foi uma coisa tão esclarecida na minha cabeça que me fazia confusão não se falar disso".

"Sempre tive a capacidade de dizer 'que homem tão bonito e tão interessante' e 'que mulher tão bonita e tão interessante'. Já beijei mulheres e sempre me fez confusão como é que é possível as pessoas nem sequer se permitirem pensar sobre isso", continua, "é tão redutor não te poderes questionar sobre isso, não te poderes sentir atraída pela pessoa. Não é o homem, não é a mulher, é a pessoa. É o que a pessoa fala, como fala, os interesses que tem, o cheiro... eu ligo imenso ao cheiro... a forma como se move. Isso é que te faz apaixonar por uma pessoa, isso é que é verdadeiramente o apaixonável que todos nós temos e isso não tem género".

Depois de sublinhar que em sua casa "o género sempre foi uma coisa que nunca teve importância", a artista diz acreditar que as gerações vindouras "não vão sentir-se atraídas com base no género, vão sentir-se atraídas com base naquilo que encontram de apaixonável nas pessoas. Eu acho que sim". Durante a longa entrevista, Deslandes fala também sobre as críticas que recebe por expor a sua vida e o seu corpo nas redes sociais, "ainda somos um país muito conservador", e também sobre o facto de ter três filhos aos 27 anos: "nunca planeei muito. Foi um descuido. Nós nunca estivemos muito preocupados em não ter. Nunca planeámos mas nunca foi aquela coisa de não querermos ter... Sempre deixámos que as coisas acontecessem (...) não acho que já tive todos os filhos que vou ter na vida, de todo. Gostava de ter mais filhos daqui a uns anos. O Diogo gostava de ter seis, eu gostava de ter cinco".