Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Madonna

Madonna sentiu-se “violada” por artigo do New York Times

“Dizer que fiquei desiludida é um eufemismo”, lamenta Madonna, criticando o trabalho da jornalista. “Morte ao patriarcado”

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Madonna atacou o New York Times, depois da publicação, por aquele jornal norte-americano, de um longo artigo intitulado “Madonna aos 60 anos”.

No Instagram, a cantora escreveu: “Dizer que fiquei desiludida seria um eufemismo. Parece que não conseguimos consertar a sociedade e a sua necessidade de diminuir aquilo que sabem que é bom. Sobretudo mulheres fortes e independentes”.

Segundo Madonna, a jornalista que assina o artigo “passou dias e horas e meses comigo e pôde entrar num mundo que poucas pessoas podem ver, mas escolheu concentrar-se nos assuntos mais superficiais, como a origem étnica das minhas posições ou o tecido das minhas cortinas e intermináveis comentários sobre a minha idade, que nunca seriam feitos se eu fosse um homem. As mulheres têm mesmo dificuldade em defender outras mulheres, mesmo que se façam passar por feministas intelectuais”.

No artigo do New York Times, Madonna confessa ter ficado desapontada quando as canções do seu álbum de 2015, “Rebel Heart”, caíram na net de forma ilegal, meses antes do lançamento do disco.

“Não tenho palavras para explicar como me senti. Demorei bastante tempo a recuperar e isso tirou-me a vontade de fazer música. Senti-me violada”, diz Madonna, na entrevista.

Terá sido o comentário da jornalista, Vanessa Grigoriadis, a indignar Madonna: “Não me pareceu bem explicar-lhe que hoje em dia as mulheres tentam não usar essa palavra metaforicamente”, escreve Grigoriadis a seguir à resposta da cantora.

“Lamento ter passado cinco minutos que seja com ela. Faz-me sentir violada”, escreveu Madonna no Instagram. “E sim, eu posso fazer essa analogia, tendo sido violada aos 19 anos”.

Para a norte-americana, o artigo prova que o New York Times é um dos mentores do patriarcado. “Morte ao patriarcado, que está tão embrenhado na nossa sociedade. Nunca irei parar de lutar contra ele”, remata Madonna.