Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Dançarina de Madonna que usou a bandeira da Palestina na Eurovisão diz que foi interrogada durante uma hora e meia

"Obrigado, Madonna, por me teres deixado fazer parte da tua declaração"

Uma das dançarinas que acompanhou Madonna, na atuação da "Rainha da Pop" na grande final do festival da Eurovisão, foi interrogada pelas autoridades israelitas ao tentar sair do país.

Durante a performance de 'Future', novo single da cantora norte-americana, Mona Berntsen envergou uma bandeira da Palestina, saindo do palco de braço dado com uma outra dançarina, esta com a bandeira de Israel.

Berntsen, que tem ascendência norueguesa e marroquina, revelou o interrogatório a que foi sujeita numa publicação entretanto apagada no Instagram.

"Obrigado, Madonna, por me teres deixado fazer parte da tua declaração, e por me teres feito carregar a bandeira da Palestina em frente de centenas de milhar de espetadores", escreveu.

"A repressão na Cisjordânia é real. As horas que se seguiram ao espetáculo [de sábado] foram intensas, mas nunca pensei que iria ser monitorizada como fui", continuou.

"Os seguranças do aeroporto andaram a passar o meu passaporte, e depois detiveram-me para interrogatório durante mais de hora e meia".

"Tive de contar toda a história da minha vida, as razões que me levaram a viajar a países árabes ao longo da minha vida, as minhas crenças religiosas, os meus assuntos de família, os horários detalhados da minha estadia, e de explicar exatamente o que fiz e por onde andei desde que estive em Jerusalém há três anos".

"Tudo isso, enquanto procurava sair do país", acrescentou. "Tudo por envergar uma bandeira como parte de uma performance onde foi feita uma declaração sobre um conflito decorrente, para promover a paz, a unidade e a liberdade".

A dançarina lamenta ainda "a repressão e a monitorização que o povo Palestiniano enfrenta diariamente". "Obrigado, Madonna, por usares esta performance para dizer algo sobre isto", rematou.

No entanto, há também quem faça notar que o aeroporto de Ben Gurion, em Telavive, tem um controlo de passaportes restrito, questionando todos os passageiros que ali embarcam - o que sugere que Mona Berntsen não foi interrogada por ter mostrado uma bandeira da Palestina.