Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

'Youtubers' da Coreia do Sul desorientados com Conan Osiris

'Telemóveis' analisado do outro lado do mundo

Dois 'youtubers' sul-coreanos publicaram a sua reação ao vídeo da interpretação de 'Telemóveis', de Conan Osiris, na final do Festival da Canção, onde o artista saiu vencedor. A toada é de absoluta desorientação.

Os responsáveis pelo canal 훈타민 Hoontamin, Cormie e Hoon, começaram por falar do título da canção que representará Portugal no festival da Eurovisão, apresentando depois o artista português - Tiago Miranda, de seu verdadeiro nome. "Os estrangeiros também usam nomes artísticos", graceja Cormie.

Das certezas passamos num instante às dúvidas. Rapidamente, a dupla começa o visionamento em tempo real da atuação de Conan Osiris, e tanto os esgares de espanto como as interjeições sucedem-se. "Único" e "distintivo" são alguns dos (poucos) adjetivos utilizados, mas na maior parte do tempo os 'youtubers' ficam sem palavras. O guarda-roupa de Conan Osiris é particularmente intrigante para os sul-coreanos: "parece não ser um traje tradicional".

"O título é misterioso, tudo é misterioso, estou confuso", admite Hoon a dada altura. "É uma crítica à civilização moderna? Talvez esteja a simbolizar Portugal", vaticina, antes de reconhecer que "os vídeos musicais portugueses são difíceis" e que 'Telemóveis" foi "o vídeo mais difícil [de analisar] em dois anos" de existência do canal. Cormie partilha a desorientação do companheiro: "Se eu fosse portuguesa, talvez tivesse percebido".

Conan Osiris, recorde-se, esteve esta semana em Israel para gravar o seu "postal" para a Eurovisão. O músico terá chegado esta terça-feira a Telavive e foi entrevistado pela KAN, televisão pública de Israel que será anfitriã do evento. Quando questionado sobre a carta que Roger Waters lhe terá enviado, pedindo-lhe que não atue em Telavive em solidariedade com "os irmãos e irmãs oprimidos na Palestina", Conan Osiris mostrou desconforto, revirou os olhos e foi evasivo na resposta: "É o que se pode ver. Cada qual tem o seu conteúdo". Mais adiante, confrontado com a agudização do conflito da faixa de Gaza nos últimos dias, confessa que não liga "às notícias" porque "nem sequer tenho televisão".