Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Michael Jackson e o Rabi Shmuley Boteach em 2001

Getty Images

Amigo de Michael Jackson admite que já não acredita na sua inocência

“Nunca vimos acusações tão pormenorizadas”

O Rabi Shmuley Boteach, um antigo amigo próximo de Michael Jackson, admitiu que as acusações de abuso sexual de crianças feitas contra o músico poderão ser verdadeiras.

Em declarações ao programa de televisão australiano "A Current Affair", o rabi afirmou que acreditou sempre na inocência de Michael Jackson, até ver o documentário "Leaving Neverland".

"Há uma enorme diferença em relação ao passado. A primeira, e a principal, é que agora vemos dois meninos, hoje adultos, a falar com uma dor profunda", disse.

"Não acredito que estes homens estejam a mentir, e não acredito que a vergonha e a culpa que os pais deles sentem é fingida".

Para o rabi, "Leaving Neverland" irá levar a uma "reapreciação profunda" do legado de Jackson. “Nunca vimos acusações tão pormenorizadas. Nunca vimos os rostos de quem o acusa, e nunca ouvimos os familiares das vítimas, que tiveram de suportar essa dor".

Antes de "Leaving Neverland", Shmuley Boteach pensava em Michael Jackson como "uma figura trágica, devido ao estrelato".

"Ele queria que o seu estatuto enquanto celebridade pudesse ajudar as crianças de todo o mundo. Eu disse-lhe que ele não era o Messias das crianças, para parar de pensar que era ele quem deveria dar atenção a todas as crianças negligenciadas do mundo", contou.

Boteach e Jackson conheceram-se em 1999, pondo um fim à sua amizade anos mais tarde. "Eu era um rabi. Quando senti que tinha de o deixar, acabei com a nossa relação", disse.

Sobre as acusações feitas contra o "Rei da Pop" nos anos 90, o rabi afirmou que "independentemente de serem verdade ou não, ele não podia estar novamente junto de crianças". E abordou "Living With Michael Jackson", documentário de 2003 no qual o músico questiona qual o problema de dividir uma cama com uma criança.

"Não podia acreditar que ele o tivesse feito, e que não visse nenhum mal nisso. É surpreendente", continuou.