Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Getty Images

Roger Waters escreveu uma carta a Conan Osiris para pedir-lhe que não vá ao festival da Eurovisão

"Ouvi a música dele e traduzi a letra. É sobre usar o telemóvel para colocar questões sobre a vida, a morte e o amor. Achei-a profundíssima". Contudo, o ex-Pink Floyd pede que Conan Osiris boicote Israel

Roger Waters publicou este sábado uma carta aberta a Conan Osiris e os "outros 41 finalistas do Festival da Eurovisão" no Facebook. O ex-Pink Floyd destaca o talento do vencedor do Festival RTP da Canção, mas apela para que este boicote o festival da Eurovisão, que se realiza no mês de maio em Israel.

Waters revela mesmo que escreveu uma missiva particular para Conan, mas ainda não recebeu uma resposta: "Há alguns dias, escrevi uma carta a um jovem talento português, Conan Osiris. Ele tinha acabado de ganhar o direito de representar Portugal na Eurovisão e afirmou-se relutante sobre a sua ida a Telavive. Ouvi a música e traduzi a letra. É sobre usar o telemóvel para colocar questões sobre a vida, a morte e o amor. Achei-a profundíssima", escrevei o músico, conhecido pelo seu apoio à causa palestiniana, no Facebook.

Acompanhando a carta com um vídeo, Waters afirma ter sido alertado por amigos de que o músico português "poderia juntar-se à vasta rede de artistas que estão a responder ao apelo palestiniano para boicotarem a Eurovisão", recusando-se a "atuar perante uma audiência segregada, em Telavive, na final do festival da Eurovisão, em maio".

Waters acredita que Conan Osiris tem "a oportunidade de falar pelos direitos humanos, sobre os erros humanos. Como? De pé, ao lado dos seus irmãos e irmãs oprimidos na Palestina. Pode demonstrar solidariedade aos 189 manifestantes desarmados mortos a tiros por atiradores de Israel, em Gaza. no ano passado, incluindo pelo menos 35 crianças".

O músico inglês adianta ainda que tem conhecimento de que "o jovem Conan foi pessoalmente abordado" para ir à final por uma organização ligada à propaganda "de extrema-direita" do governo de Israel. Ao recusá-lo, afirma Waters, o português poderá ser "lembrado como alguém que ficou do lado certo da história, defendendo o amor, a paz e a justiça".