Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

O Sol da Caparica

Gonçalo Silva

Câmara de Almada anuncia que festival O Sol da Caparica vai regressar este ano, mas o promotor de sempre não o organizará

Almada garante que o evento se realizará e que procura agora contratar um produtor que mantenha o conceito. A AMG Music, que organizou o evento desde a primeira edição, afirma que não apresentou uma proposta na sequência de uma consulta prévia a várias empresas produtoras de espetáculos

Depois de alguns meses de impasse, a Câmara Municipal de Almada (CMA) confirmou hoje que o Festival O Sol da Caparica vai regressar em 2019 para a sua sexta edição, mantendo o conceito.

“Neste momento encontra-se o procedimento legal tendo em vista a contratação do produtor”, revelou a autarquia, numa nota enviada à agência Lusa. Mantêm-se os “princípios associados à marca”, nomeadamente a promoção de música originária dos Países de Língua Oficial Portuguesa.

De fora está a AMG Music, que organizou o evento desde a primeira edição, realizada em 2014. Num esclarecimento enviado à imprensa pela empresa liderada por António Miguel Guimarães, o antigo promotor do evento faz saber que, na sequência de uma consulta prévia lançada pela CMA, nenhum dos contactados apresentou uma proposta. Segundo a AMG, também a Everything Is New (NOS Alive), a Música no Coração (Super Bock Super Rock, MEO Sudoeste) e a Conquista Padrão (ligada a espetáculos de artistas da lusofonia) foram consultadas. "O modelo proposto e condições oferecidas de exploração do festival O Sol da Caparica não permitem alcançar, com qualidade e eficácia, a exemplo dos anos anteriores, os resultados positivos deste festival criado por nós para a CMA", pode ler-se em carta depositada na consulta prévia pela AMG, agora tornada pública por este promotor.

Segundo o município, “existem interessados” na realização do festival, pelo que a CMA irá estipular um prazo para a entrega de propostas. De acordo com a autarquia, o novo promotor deverá gerir a programação, a contratação e montagem de equipamentos, a criação do circuito de sinalética tanto no interior como no exterior do recinto, a criação de serviços criativos para conteúdos editoriais, redes sociais e comunicação, além da responsabilidade em angariar patrocínios e fundos.

“Como contrapartida, a câmara, pela prestação dos serviços objeto do contrato, concederá ao concorrente a utilização da marca “O Sol da Caparica”, neste evento, bem como a cedência do espaço para a realização do mesmo, os proveitos de bilhética e ainda procederá ao pagamento de uma quantia que não excederá o valor de 70 mil euros”, adiantou.

O evento costuma acontecer no Parque Urbano da Costa de Caparica, em Almada.

Com Lusa