Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Steven Sarott e Karin Dicker em 2009

Getty Images

Como o filme "Bohemian Rhapsody" ajudou um casal de septuagenários a ultrapassar os maus momentos

Steven Sarott e Karin Dicker viram a ‘biopic’ dos Queen 24 vezes. “São duas horas de liberdade”

Steven Sarott e Karin Dicker são um casal de septuagenários que poderão dizer, sem medos, que "Bohemian Rhapdosy", biopic sobre a vida e obra de Freddie Mercury, lhes mudou a vida.

O casal, que nem sequer conhecia a música dos Queen antes de ver o filme quando este estreou, em outubro passado, já assistiu a "Bohemian Rhapsody" 24 vezes - nalguns casos, uma ou duas vezes por semana.

Tanto Steven como Karin, ambos com 71 anos, tiveram de lutar contra o cancro, por duas vezes, ao longo das suas vidas. O filme, explica o marido, "tira-nos toda a tristeza". "Sentamo-nos no cinema e tudo isso desaparece", contou ao Los Angeles Times. Karin, a esposa, concorda: "Bohemian Rhapsody", proporciona-lhes "duas horas de liberdade".

Entretanto, o casal já se dispôs a conhecer melhor a banda britânica, comprando um CD com os maiores êxitos dos Queen e outro com a banda-sonora do filme. Apontam, desde logo, as suas canções preferidas: 'These Are the Days of Our Lives', no caso de Karin, e 'Hammer to Fall' e 'I Want It All' no de Steven.

Sobre se os seus próprios problemas de saúde levaram o casal a sentir uma maior ligação com o filme, ambos anuem. "Perguntei-me se o Freddie sentiu o mesmo que eu senti quando o médico lhe disse que não era imortal", relatou Steven. Karin, que foi uma atriz infanto-juvenil, tendo entrado em “Imitação da Vida” (filme de 1959 protagonizado por Lana Turner), concorda: "Este filme tira-nos da realidade por tempo suficiente. E passa tão depressa. Nunca olhámos para os relógios, dentro do cinema".

"Bohemian Rhapsody" teve bastante apelo junto do grande público, mas foi bastante criticado pela imprensa especializada. Karin e Steven não entraram em polémicas, mas procuraram encontrar uma explicação: "Talvez os críticos não achem a mesma magia no filme [que o público]", afirmou a mulher.

"Dizem que o filme não segue à risca o que aconteceu na realidade. Não quero saber", contrapôs Steven. "Quando o Rami [Malek, ator que interpreta Freddie Mercury] ganhou um Globo de Ouro, chorei. Foi como se o meu próprio filho tivesse ganho", afirma Karin.