Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Michael Jackson em 1991

Getty Images

Michael Jackson era uma figura "extremamente complexa", diz um dos homens que o acusam de abuso sexual

Wade Robson, um dos participantes no documentário sobre os alegados abusos sexuais cometidos por Michael Jackson, fala sobre a sua experiência

Lia Pereira

Lia Pereira

Jornalista

Wade Robson, um dos dois homens que dão o seu testemunho no documentário "Leaving Neverland", falou à Billboard sobre a sua experiência com Michael Jackson, que conheceu em criança e que acusa de abuso sexual.

O coreógrafo de 36 anos, que já trabalhou com artistas como Britney Spears ou NSYNC, considera que o facto de o realizador, Dan Reed, lhe ter pedido que contasse a sua experiência, sem interpretações ou julgamentos, o ajudou.

"Já estava tão habituado a ser maltratado quando tentava contar a verdade que se tornou habitual sentir que tinha de me justificar e explicar os meus sentimentos contraditórios. Como o Dan nos disse para não o fazermos, acabou por ser muito terapêutico para mim", explica Wade Robson, que diz ter sido vítima de abuso sexual dos sete anos em diante.

Sobre o impacto que o documentário, que estreia na HBO em março, poderá ter na imagem de Michael Jackson, afirma: "Tal como muitas pessoas, ele era uma figura extremamente complexa. E tinha aspetos positivos e fez coisas boas. E também era um homem doente que abusou sexualmente de nós e creio que de muitos outros. As coisas não são a preto e branco. Existem ao mesmo tempo. Espero que possamos ter uma mente aberta em relação a isso".