Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

siga-nos

Perfil

Notícias

Estudo revela que a idade de ouro da pop foi dos anos 60 aos 90. E explica porquê

Antigamente é que era bom

Um novo estudo indica que a idade de ouro da pop se situou entre as décadas de 60 e 90.

O estudo, levado a cabo pela Universidade de Nova Iorque, utilizou uma amostra de 643 jovens entre os 18 e os 25 anos para chegar a esta conclusão.

Todos estes jovens foram questionados em relação a diversos êxitos, de épocas diferentes. Muitos reconheceram as canções editadas entre 1960 e 1990, mas no que toca àquelas lançadas já no século XXI tal não se verificou.

Para Pascal Wallisch, que liderou este estudo, "o período entre os anos 60 e 90 foi especial no que à música diz respeito, o que se reflete no reconhecimento de várias obras daquela época, até pelos millenials de hoje".

Durante este período, as canções que chegavam aos primeiros lugares das tabelas de vendas nos Estados Unidos eram mais variadas do que aquelas que o fizeram entre 2000 e 2015, ou entre 1940 e 1950, de acordo com os cientistas responsáveis pelo estudo.

Entre as canções mais reconhecidas estão temas como 'When a Man Loves a Woman', de Percy Sledge (1966), 'Baby Come Back', dos Player (1977) e 'The Tide is High', dos Blondie (1980).

A memória musical dos inquiridos não se mostrou tão forte, no que às canções do novo milénio disse respeito.

Este reconhecimento do passado poderá, também, estar ligado ao aparecimento de plataformas como o Spotify. Para Wallisch, os millenials "estão cientes da música que, em geral, os precederam e escolhem ouvi-la".