Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Os últimos dias de Mac Miller

A morte do rapper surgiu numa altura em que este se encontrava "feliz"

Os últimos dias de Mac Miller foram "felizes", explicou Thundercat, antigo colaborador do rapper. No final de agosto, Miller preparou inclusive uma festa de aniversário para Sanaa, a filha de Thundercat.

"Ele recusou-se a não celebrar connosco", contou. "Ele andava feliz. Via-o nele. Não era um engodo". Poucos dias depois, a 7 de setembro, Mac Miller sofria uma sobredose de drogas que provocou a sua morte, aos 26 anos.

Essa mesma festa de aniversário foi a última vez que Thundercat viu Mac Miller com vida, conforme explicou à revista Rolling Stone. Na calha estava uma digressão conjunta em torno de "Swimming", o último álbum de Miller, e a gravação de um vídeo para 'What's the Use?', canção na qual colaboraram.

E não era tudo; um disco em conjunto com Post Malone estava já a ser preparado. "Ele nunca parou de trabalhar em música nova desde que o conheci até à semana em que morreu", revelou o seu produtor de longa data, Eric Dan.

A última pessoa a vê-lo com vida foi a assistente pessoal do autor de 'Loud', na véspera da sua morte. Nessa mesma noite, Miller chegou ainda a ligar à sua mãe.

As causas da sua morte, ainda que trágicas, podem não ser chocantes; o vício de Mac Miller em drogas duras era sobejamente conhecido.

Apesar de estar a tentar ficar "limpo", estando acompanhado por um treinador de recuperação desde 2016 e frequentando um ginásio em Los Angeles, o rapper tinha deslizes frequentes. Segundo a assistente, um deles ocorreu a 4 de setembro, meros três dias antes da sobredose.

O também rapper Ty Dolla $ign, com quem Miller estava a trabalhar, diz deste que se encontrava "bem disposto", tendo passado um dia na sua companhia apenas duas semanas antes. Quando soube da sua morte, chorou. "E nunca choro. Ninguém me vê a chorar. Foi o dia mais duro de sempre".