Perfil

Blitz

Uma parceria com o jornal EXPRESSO

Notícias

Dead Can Dance

Brendan Perry dos Dead Can Dance: “Comprei uma guitarra portuguesa e tentei aprender”

Os Dead Can Dance vão editar um novo álbum e regressam a Portugal em maio do próximo ano para dois concertos, já esgotados, em Lisboa. A BLITZ falou com o músico britânico sobre a sua paixão pelo fado

Brendan Perry, dos Dead Can Dance, confessou em entrevista à BLITZ que tentou aprender a tocar guitarra portuguesa. No decorrer da conversa, que teve como ponto de partida o novo álbum da banda, "Dionysus", com edição agendada para o próximo dia 2 de novembro, o músico britânico falou também sobre a paixão que nutre pelo fado e do regresso a Portugal no próximo ano: os Dead Can Dance tocam na Aula Magna, em Lisboa, nos dias 23 e 24 de maio, e os concertos já se encontram esgotados.

Questionado sobre a possibilidade de um dia poder colaborar com um fadista, Perry respondeu negativamente: "deixei-me de colaborações... Fiz algumas este ano e invariavelmente são pouco satisfatórias. Também fiz música para um documentário espanhol sobre a história da cultura hippie em Ibiza... E tive de fazer tantas concessões. O produto final fica muito longe daquilo que imaginas, portanto, sim, tomei a decisão consciente de não fazer mais colaborações. Nunca mais".

"Mas falando de fado, comprei uma guitarra portuguesa e tentei aprender", continuou o músico, "a afinação é totalmente diferente da de uma guitarra normal… É mais como uma antiga cítara. Entrei um pouco naquilo, mas é uma curva de aprendizagem tão longa que acabei por ser empurrado noutra direção. Não investi muito. Gosto de ser capaz de tocar, pelo menos, alguns temas tradicionais. É a forma que tenho de tentar chegar ao coração de uma antiga tradição à qual estou a chegar de fresco. Neste caso, não aconteceu isso, mas continuo a adorar fado… A poesia, a emoção, os assuntos de que fala".

Perry revelou também que na digressão que os Dead Can Dance farão no próximo ano não deverão levar a palco o novo álbum, visto que é um registo conceptual em dois atos contínuos e deve ser escutado dessa forma. A digressão que a banda traz a Lisboa intitula-se "A Celebration - Life & Works 1980-2019" e passa em revista os melhores momentos do percurso da dupla. A última passagem de Perry e Lisa Gerrard por solo nacional aconteceu em 2013, ano em que tocaram no festival NOS Primavera Sound e no Coliseu dos Recreios, em Lisboa.